Home

|

Historial

|

Missão

|

Organização

|

Recursos

|

Edições

|

Álbum

|

Links

|

Contactos

   

 

 Álbum

Álbum de atividades
     
  75 Anos


75º Aniversário do primeiro encontro de "Antigos Escuteiros"
 
Organização: Região de Braga
 
 
Local: Sameiro - Braga
 
 
dias 24 e 25 de maio de 2014
 
 
"75 Anos: UM SONHO, UMA REALIDADE"

 

 

 

A ACTIVIDADE NACIONAL DA FNA, FOI MAIS UMA GRANDE FESTA DE ESCUTEIROS ADULTOS.

 

Depois de longos e árduos meses de trabalho na sua concepção e preparação, a Direcção Regional de Braga e mais alguns Associados da sua Região, dos quais se destacam os “fuzileiros do VII ACANAC”, executaram mais uma bela actividade, desta vez, de âmbito nacional. Sendo uma proposta daquela Região, que a Direcção Nacional desde logo aceitou, este evento tinha como mote a comemoração dos 75 anos do encontro entre Caminheiros do Clan Nuno Álvares, da cidade de Braga, com ex-Escuteiros do CNE, no intuito de os convencer a regressarem ao activo, face à necessidade de Dirigentes que o CNE na ocasião tinha. Nasceu então a UAE – União dos Antigos Escutas, a qual, por diversos motivos não vingou. Foi no entanto este encontro, realizado em 21 de Maio de 1939, no Sameiro, em Braga, o embrião do que, anos mais tarde, em 1955, viria a ser a Fraternidade de Nuno Álvares. É pois esta data, de importância vital na história da FNA, sendo por isso, absolutamente justa a recordação de tal efeméride. Urgia pois, dotar as suas comemorações, da dignidade e solenidade que o seu simbolismo requeria. Foi com este objectivo que a equipa organizadora da actividade, delineou todo o programa, meticulosamente traçado. O facto de se concentrar (quase na sua totalidade) nas mesmas instalações, o alojamento; refeições e actividades, que decorreram no Seminário de Nossa Senhora da Conceição, em Braga, foi determinante para que não houvesse dispersão dos participantes e que os horários fossem cumpridos de acordo com o estabelecido. Iniciaram-se as comemorações com a inauguração de uma exposição sobre a história da FNA, com enfoque no “encontro de há 75 anos”, constituída por fotografias e documentos, autenticas peças de museu, tal a sua antiguidade e significado. Após esta inauguração, que todos os participantes seguidamente visitaram, tivemos a sessão solene, no Auditório Vita, cuja plateia ficou completa, estimando-se uma afluência perto das três centenas de Associados de todas as Regiões, e com a presença de 6 elementos dos Viejos Lobos de Cádiz, nossos irmãos Espanhóis, que já nos habituaram a brindar com a sua participação. Nesta sessão solene, que foi presidida por Sua Excelência Reverendíssima, o Senhor. Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, honraram-nos também com a sua presença, o Senhor Dr. Firmino Marques, Vice Presidente do Município de Braga, também ele Ex-Escuteiro; o Director Nacional da Fraternal Escotista de Portugal, Rui Macedo; o Chefe de Núcleo de Vieira do Minho do CNE. Com a intervenção do Presidente da Direcção Regional de Braga, José Luís Silva, que deu por aberta a sessão, foi por ele lida uma mensagem da Presidente do Comité Mundial da ISGF, Midá Rodrigues, justificando a sua ausência e endereçando felicitações á FNA pelas comemorações em apreço. Em seguida, o Presidente Nacional, Jorge Caria, saudou todos os presentes e agradeceu a presença de todos. Entrando no ponto principal desta sessão, o Assistente Regional Adjunto da Região, Padre Miguel Ângelo Gomes, efectuou a apresentação do orador, Padre Dr. Arlindo Ribeiro da Cunha, sublinhando a sua vasta obra. O tema da conferência, “Os Leigos na Eclesiologia do Vaticano II”, que pretendeu transmitir o papel do Leigo na Igreja, revelou-se complexo, sério e de grande importância para nós, Escuteiros Católicos, e foi brilhantemente explanado pelo orador Padre Arlindo. Tivemos ainda a oportunidade de ouvir umas palavras de encorajamento, proferidas pelo Dr. Firmino Marques, em nome do Município. No final, e a encerrar a sessão, o Senhor D. Jorge Ortiga dirigiu a todos uma agradável mensagem de reconhecimento do percurso até aqui trilhado pela FNA, mas de encorajamento, motivação e desafio para o futuro, enaltecendo as transformações que a sociedade tem vindo a verificar e, conforme suas palavras, com reflexo na própria Fraternidade que também teve evolução passando de Associação de Antigos Escuteiros para Associação de Escuteiros Adultos. De referir, que durante a sessão tivemos oportunidade de escutar algumas interpretações musicais a cargo do coro do CNE (com alguns elementos da FNA) de Santa Maria de Nine. O ponto seguinte, a arruada desde o Seminário até á Sede Regional, em pleno centro histórico da cidade de Braga, onde para além da Sede regional do CNE e da sede Regional da FNA, se encontram instalados o Núcleo da FNA da cidade de Braga e o Agrupamento nº 1 do CNE, foi mais um facto inédito e que, causou admiração junto dos inúmeros populares que ao fim da tarde transitavam pelo centro da Cidade. Nessa visita á Sede, foi inaugurada a galeria fotográfica com as imagens de todos os Presidentes Regionais da FNA, e após visita ás instalações, foi servido um Verde de Honra, onde foram proporcionados mais alguns momentos de fraterno convívio. Após o jantar, regressámos ao Auditório para a realização do habitual fogo de Conselho. Também esta parte do programa foi revestida da solenidade que toda a actividade observou. Intervenções das Regiões de Braga, Lisboa e Porto, recriando o Encontro do Sameiro; o ACANAC de 2003 em Mangualde; a operação CHAMA de 2007 e a história da FNA, a par com intervenções musicais, desta feita, levada a cabo pelo coro do Núcleo de Cambeses da FNA. No Domingo, já no Santuário do Sameiro, onde nos concentrámos, efectuou-se o desfile, encabeçado por fanfarra constituída só por Associados da FNA, oriundos de diversos Núcleos da Região de Braga, integrando os estandartes de 57 Núcleos e das Regiões presentes, bem como, na sua retaguarda os Associados presentes e que o foram em maior número que no dia de Sábado. Contámos, neste dia, com as presenças do Chefe Nacional do CNE, Norberto Correia; Chefe Regional de Braga, Ivo Faria; Chefe do Núcleo de Braga do CNE, João Araújo e do chefe Dias em representação da Junta de Núcleo do CNE de Guimarães. Igualmente nos acompanharam os nossos irmãos da Fraternal, Rui Macedo e sua esposa, Fernanda Macedo. Como movimento católico, tendo o desenrolar dos diversos pontos da actividade decorrido com êxito, que forma mais apoteótica de a encerrarmos senão com uma celebração Eucarística? E foi efectivamente o corolário de todo o fim de semana, a Celebração ocorrida na Cripta da Basílica do Sameiro, mais um ponto da actividade que mereceu preparação cuidada e execução excelente, com uma participação massiva, num cenário verdadeiramente escutista, e com o valioso contributo do coro  constituído por Associados da FNA dos Núcleos de Padre Fonte da Povoa de Varzim; Terroso e Vila do Conde, que, com os seus instrumentos deram um cunho diferente aos cânticos, e premiando todo o trabalho desenvolvido pelo Padre Miguel Ângelo e pela Associada D. Conceição e seu esposo, Associado e membro da Direcção Regional, António Oliveira, bem como os restantes membros que com eles colaboraram. Tudo foi bonito, sério, solene e vivido em pleno ambiente fraterno, mas como disse o Presidente Nacional, na sua mensagem de encerramento, nada teria valido a pena se não fosse a presença de tão elevado número de Associados. Por último, seguiu-se um almoço convívio onde se fizeram as despedidas até á próxima actividade. Não podemos esquecer a atenção que todo este programa mereceu por parte da comunicação social, com conferência de imprensa dada na sua apresentação; com entrevista concedida a rádio da Diocese, por parte do Presidente Regional, José Luís Silva, bem como as que foram efectuadas pelos jornais Diário do Minho e Correio do Minho. Cada vez mais a Fraternidade vai sendo alvo das atenções da sociedade, desta vez através dos Média. A Direcção Nacional, congratula-se por mais este acontecimento, reiterando os seus reconhecidos parabéns aos seus obreiros, que desta forma escreveram mais uma página da história da nossa FNA.

 

 Sábado dia 24

 

 

 

Ver álbum

 

 Domingo dia 25

 

 

 

Ver álbum

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

História

 

Foi no dia 21 de maio de 1939 que se realizou uma grande confraternização de “antigos” Escutas, no Sameiro, Região de Braga, chamando aí inúmeros adultos, que recordaram com saudade os tempos já passados, não regateando louvores ao Escutismo onde militaram. Organizada pelo Clã de Nuno Álvares, de Braga, a confraternização terminou ouvindo-se grandes apelos aos “antigos” que se organizassem para ajudarem o CNE. Nesse sentido e após aprovação em Conselho Nacional do CNE, realizado em 1939, é criada a UAE – União dos Antigos Escutas, publicada posteriormente em “Atos Oficiais”, nas Ordens de Serviço Nacional N.º 44 de 16 de Fevereiro e N.º 49 de 16 de junho, ambas de 1939. Esta Associação apareceu sem autonomia e independência, como uma nova Secção Escutista, sob a Direção dos Comissários Gerais do CNE, a todos os níveis. Por estes e outros motivos a ideia não vingou e foi desaparecendo pouco a pouco, sem nunca atingir os objetivos para que tinha sido criada. Em 1955, e após profunda reflexão sobre o fracasso da UAE a Junta Central do CNE resolveu, aproveitando a revisão dos Estatutos e Regulamentos, criar a Fraternidade de Nuno Álvares - FNA. Com a publicação do Guia do Corpo Nacional de Escutas, em 27 de maio de 1955, é publicada a definição e regulação, dedicando-lhe uma parte do Regulamento Geral (VII, Páginas 80 e 81) para apresentarem os objetivos, generalidades e organização. É anunciada como Associação autónoma, com o objetivo de os manter unidos por um elo de fraternidade aos Princípios do Escutismo Católico, todos os elementos que, por condições particulares da sua vida, não possam continuar em atividade na Associação. São apresentadas, ainda, as finalidades concretas da FNA, bem como a sua ligação com o CNE, e a autorização para o uso do uniforme. Aqui e ali vão surgindo Núcleos de “antigos” uns, porventura mais disponíveis que outros, auxiliando fundamentalmente os serviços locais, regionais e nacionais, para que o CNE não parasse a sua ação educativa. Simultaneamente, dentro das suas possibilidades, apoiavam a Igreja e as suas comunidades. 

 

Fraternidade de Nuno Álvares | Escuteiros Adultos